A menos que uma mutação ocorra durante o desenvolvimento embrionário, as cobras bicéfalas não podem ser encontradas na natureza. Sim, as pessoas do campo dizem que ocasionalmente encontram cobras que têm uma cabeça em cada extremidade do corpo e que são enterradas depois de serem descobertas. Aqueles que afirmam isso, não viram realmente uma cobra de duas cabeças, mas uma anfisbena.


A cobra de duas cabeças, um ícone

Falamos de um réptil que mede meio metro de comprimento que escava galerias subterrâneas e que tem a capacidade de se mover com a mesma facilidade para frente, como faz para trás. É aqui que nasce o mito popular das cobras com duas cabeças.

Na Europa, a única espécie de anfisbena existente vive na Península Ibérica e é chamada de Blanus Cinereus.


Significado da cobra de duas cabeças

A serpente de duas cabeças é uma criatura semimística encontrada em culturas muito diferentes. No mundo mediterrâneo, chamava-se anfisbena. Aqueles que escreveram mais páginas sobre isso foram os escritores Plínio, o Velho e Lucano.

Para os gregos, a anfisbena simbolizava a fertilidade de gregos e romanos, sendo a razão pela qual as mulheres usavam pulseiras como anfisbena.
A associação entre anfisbena e fecundidade deve-se ao fato da cobra ter vivido no subsolo e estar ciente das cavidades subterrâneas (útero da terra). A anfisbena era considerada a mais venenosa de todas as cobras, porque podia morder simultaneamente duas partes do corpo. Foi tão agressiva que em muitas ocasiões uma cabeça atacou a outra, simbolizando também o começo e o fim.

Algo realmente curioso é que foi descoberto que os anfisbanos realmente existem. Estas cobras muito primitivas têm uma cabeça falsa na cauda e quando são atacadas por outras, o predador demora a aproximar-se, porque pensa que a cabeça falsa está a observá-lo. Tudo isso dá tempo para o animal fugir.
Um animal mítico e a coisa mais curiosa que tem sido a mais mencionada na história. Seja como for, continuará presente na simbologia popular e antiga.

Compartilhe esse texto: